gettyimages

“Eu não preciso de aparelhos auditivos!”

Ao afirmar que ouvimos bem, só não entendemos o que é dito, estamos de certa forma menosprezando o problema da audição.

Adotamos a estratégia da negação, e a cada vez que repetimos que ouvimos bem e só não compreendemos, é como se disséssemos para nós mesmos que está tudo certo, e assim vamos adiando o tratamento da enfermidade.

Homens são mais resistentes, pois se concentram em manter uma imagem de vitalidade e potência. Se você é o chefe, você não suplica “Você poderia falar mais alto por favor?” Você manda, “Fale mais alto!”, e se não conseguem te ouvir o problema é deles, e não seu. Você pode ser o chefe dentro de casa, e sua família não ter coragem de apontar que seu problema auditivo se tornou um problema.

Não importa o quanto poderoso você é, no escritório ou em casa, você não pode controlar os ambientes completamente. Se você não se der conta disso, é provável que deixará de ser convidado para eventos familiares e de trabalho.

O que leva à resistência em aceitar a perda auditiva e, consequentemente, o uso do aparelho auditivo?

O primeiro fator de resistência a perda auditiva e ao uso da prótese auditiva pode ter a ver com a dificuldade em aceitar que se tem um problema, até porque muitas vezes, a perda auditiva se apresenta de forma lenta e progressiva.

Já nos casos de presbiacusia (perda auditiva após os 65 anos de idade), soma-se algo mais à resistência, que seria demonstrar aos outros e a si mesmo que está ficando velho.

Outro fator que pode adiar ainda mais a colocação dos aparelhos auditivos, seria o paciente conhecer alguém que diz não ter se adaptado ao uso das próteses auditivas (especialmente na época em que os aparelhos eram grandes e analógicos). Mas, devemos ressaltar que cada caso é único e se existe uma perda auditiva e uma indicação para aparelhos auditivos, certamente haverá benefício com o seu uso.

Preço pode ser um ponto. Todos aparelhos auditivos são de origem estrangeira e dependem de importação, e além disso passam por processos burocráticos e caros (Anvisa, Anatel e INMETRO). No entanto, se dividirmos o valor dos aparelhos pelas horas de uso, veremos que não é tanto. Veja esse artigo sobre os custos dos aparelhos auditivos.

Como convencer um ente querido a usar aparelhos auditivos

Convença com argumentos. Deixe a emoção de fora e substitua por pesquisa. Existem muitos benefícios com o uso de aparelhos auditivos, reduzindo inclusive o risco de declínio cognitivo e de demências, manter o casamento saudável e ainda aumentar o rendimento no trabalho, sendo portanto, um investimento em muitos casos!

Tenha uma conversa não confrontante. Escolha uma hora em que ninguém estiver estressado e tente descobrir porque a pessoa está tão hesitante para obter ajuda. Um bom ponto de partida para se iniciar um diálogo seria algo como “Tenho notado que você tem dificuldade em ouvir. O que está havendo?”, ou “Deixe me entender porque você não quer passar no especialista”.

Mostre que a família toda está sendo afetada. A perda auditiva afeta não apenas a pessoa que tem a deficiência, mas toda a família. Alguns pacientes costumam não ter a noção real do problema auditivo porque todos ao redor gritam para que possam ouvir, aumentam o volume da TV o quanto desejam, e dessa forma a pessoa não sofre porque todos estão se adaptando. Tente revelar quantas vezes no dia alguém teve que repetir algo pra ela.

Dê o primeiro passo. Se ofereça para acompanhar a pessoa querida para um audiologista, apenas para checar sua audição e ver o que dizem. Às vezes a companhia pode ajudar no convencimento, além de desestressar o ambiente e deixar a pessoa mais aliviada.

Barganhe. Reciprocidade ou troca de favores pode ser uma estratégia. Diga ao seu ente querido “se você concordar em ir a um audiologista, eu prometo fazer aquela colonoscopia que estou adiando há anos”.

E se nosso ente querido não está preparado a tomar a iniciativa? Esqueça por um tempo. Pode ser que ele venha por vontade própria. Se for muito pressionado em adquirir algo para o qual ainda não esteja preparado, os aparelhos auditivos vão acabar dentro de uma gaveta, e ninguém quer isso, não é mesmo?

Conheça os benefícios do uso de aparelhos auditivos e as doenças que evitamos com o uso deles

Sabemos que o uso da prótese auditiva melhora a qualidade de vida do usuário, assim como o relacionamento entre seus familiares e amigos. Conheça mais benefícios clicando aqui.

Estimular o sistema auditivo faz com que o paciente não se isole da vida social, não se irrite com facilidade por não conseguir se comunicar e ainda ajuda nas questões cognitivas. Veja algumas doenças que evitamos com o uso de aparelhos nesse link.

Que tal, trabalhar essa resistência conhecendo um pouco mais sobre os aparelhos auditivos. Agende uma consulta conosco agora mesmo!!

Referências

https://www.aarp.org/health/conditions-treatments/info-2017/men-and-hearing-aids.html

https://www.aarp.org/health/conditions-treatments/info-2019/hearing-aid-reasons.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *